É o fim do DOC e da TED? BC antecipa registro do PIX para 5 de outubro

O sistema de pagamentos brasileiro está prestes a mudar completamente. Hoje, para que um pagamento seja efetuado – e o dinheiro saia da conta corrente do comprador e caia na do vendedor – são necessários diversos participantes, como a bandeira do cartão de crédito (tal como Visa, Mastercard ou Elo), a empresa da maquininha (como Cielo, Rede e Stone), além, é claro, dos bancos. Mas com o sistema de pagamentos instantâneos (PIX) o caminho será mais rápido – e barato.

O comprador acessa o aplicativo onde tem conta e clica na opção pagamento instantâneo. Em seguida, define que será pagamento – e não recebimento – e digita a chave que identifica o vendedor: celular, CPF/CNPJ ou e-mail. Depois digita o valor e a senha. A transação é, então, confirmada para as duas partes envolvidas.

Caso o vendedor tenha um QR Code, basta que o comprador aponte a câmera de seu celular para a imagem e depois confirme o valor e digite a senha para efetuar a transação. Essa forma de pagamento pode ser usada também para quitar contas e faturas de água e luz, por exemplo.

Assim, não é necessário o uso das maquininhas para inserir os cartões – tudo passa a ser feito com smartphones. A conciliação do pagamento é feito pelo sistema criado pelo Banco Central, o que faz com que o processo seja mais rápido (em média, demora dois segundos) e mais barato.

Pelo cronograma do BC, a primeira etapa do lançamento do PIX seria no dia 3 de novembro, mas a autoridade monetária decidiu antecipar para o dia 5 de outubro.

Nesta data, os clientes de bancos já poderão fazer registros de “chaves” – que vão substituir dados como número do banco, agência e conta – para recebimento de pagamentos pelo PIX. Esta antecipação, que havia sido anunciada pelo próprio presidente do BC, Roberto Campos Neto, em evento virtual na manhã desta quarta-feira, 22, foi oficializada pouco depois pelo BC.

“Quem desejar receber um PIX de forma simples e prática deverá, a partir de outubro, acessar o aplicativo da instituição em que possui conta e fazer o registro da chave, vinculando o número de telefone celular, e-mail ou CPF/CNPJ àquela conta específica”, informou o BC por meio de nota. “Essas informações serão armazenadas em uma plataforma tecnológica desenvolvida e operada pelo BC, chamada Diretório Identificador de Contas Transacionais (DICT), um dos componentes do PIX.”

De acordo com a autarquia, a fase de registro foi antecipada para outubro para que clientes e instituições financeiras tenham mais tempo para se familiarizar com o PIX. “Estarão disponíveis antecipadamente todas as funcionalidades para a gestão das chaves – além do registro, a exclusão, a alteração, a reivindicação de posse e a portabilidade”, disse o BC. “As regras específicas estarão detalhadas no Regulamento PIX, que será publicado em agosto.”

O PIX é um sistema que permitirá a transferência de recursos 24 horas por dia, sete dias por semana, todos os dias do ano. Esta funcionalidade representa um avanço em relação a outras ferramentas disponíveis hoje, como o DOC e a TED.

Pelo cronograma estabelecido pelo BC, uma operação restrita do PIX começará em 3 de novembro. Já em 16 de novembro o sistema será lançado para toda a população.

Juntamente com o open banking – sistema também em fase de instalação, que permitirá o compartilhamento de dados dos clientes -, o PIX é visto pelo BC como uma iniciativa para aumentar os serviços disponíveis e elevar a concorrência no mercado financeiro.

com Exame

Fechar