PROBLEMAS INTERNOS – Militares do BPRv denunciam sobrecarga de trabalho e ausência de EPIs no exercício da profissão

Comandante do Batalhão diz que denúncia é leviana e nega possíveis problemas

Foto: BPRv

Alguns militares do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) resolveram fazer uma denúncia sobre a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e a sobrecarga em suas jornadas de trabalho. Os policiais alegam que falta até máscara em sua rotina profissional e que estariam realizando bloqueios de 15 horas “sob sol escaldante, sem as condições básicas de trabalho”, mesmo estando na linha de frente de combate à pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

No texto, eles afirmam que excedem o serviço regulamentar por causa de “promessas de sermos recompensados posteriormente”, e falam, também, sobre os horários de seus intervalos. “Não nos é dado tempo suficiente/intervalo para nos alimentarmos de forma digna. Comemos em pé, sem as mínimas condições, e, no máximo, 10 minutos para voltarmos à pista (bloqueio). Nem animal é submetido a isso”, diz a nota.

Diante da denúncia, o comandante do BPRv, tenente-coronel Everaldo Liziário, questionou a autenticidade das alegações, defendendo que não foi feita pelos seus policiais, e chamou o fato de “denúncia leviana”. Apesar disso, reconheceu que houve falta de máscaras quando a pandemia chegou a Alagoas.

“É uma denúncia leviana que alguém, de maneira irresponsável, escreveu. Não é do meu batalhão. O meu batalhão está trabalhando de maneira harmônica, todos os meus policiais estão trabalhando de forma bastante tranquila. Tem álcool em gel, máscaras, em todas as viaturas. Inclusive, álcool em gel 70 e luva têm desde o início. Estávamos com dificuldade apenas na questão de máscaras, mas a gente estava conseguindo em poucas quantidades. A quantidade grande chegou agora, na segunda-feira, dia 6. Na terça, foi distribuída para todas as unidades de apoio logístico e distribuímos para todos os policiais militares”, contou

Quanto à jornada de trabalho, o tenente-coronel também rechaçou que haja sobrecarga. “Pessoal que assume o serviço de 8h às 17h já sai. Todo mundo tem feito escala, estão se revezando nos postos, fazendo patrulhamento. Nós estamos nas rodovias para fazer o decreto ser cumprido. Foi conversado que, neste período, nós vamos ter que trabalhar um pouco mais. Porém, no máximo às 19h, todos eles já estão retraídos ao posto para repousarem. Nós temos trabalhado um pouco mais para que pessoas de outro estado não venham para cá contaminar”, defende o comandante do BPRv.

Ele reforçou que os policiais de seu batalhão estão de acordo com as medidas. “Todos os policiais têm entendido sua missão neste momento. Estamos compromissados com a sociedade, com o governo do Estado, e os nossos policiais não estão com sobrecarga nenhuma. Nosso batalhão repudia pessoas que, de forma leviana, não se identificam e postam coisas como se fosse um pensamento generalizado do batalhão, quando, na verdade, não é. É até um contrassenso o batalhão estar insatisfeito e dando resultados tão bons nas rodovias. Quem estiver insatisfeito, procure o Conselho de Segurança [Conseg], para que o Conseg possa escutar o Comando Geral e checar se há alguma irregularidade. Toda folga é dada diuturnamente”, conclui.

Foto: Reprodução
Fechar