CARTA AOS GOVERNOS – Ruralistas sugerem medidas para evitar o desabastecimento durante a pandemia

Em prol da segurança alimentar da população, a SRB pede que seja mantido o funcionamento das rodovias e ferrovias para permitir a livre circulação de insumos, produtos agrícolas e trabalhadores rurais

Foto: Divulgação SRB

A SRB (Sociedade Rural Brasileira) encaminhou uma carta ao presidente Jair Bolsonaro, a seus ministros e aos governadores com sugestões de medidas que, na avaliação dos ruralistas, devem ser tomadas para evitar que o país enfrente desabastecimento durante a pandemia do novo coronavírus. No documento, assinado pela presidente da associação, Teresa Vendramini, consta o pedido para que as autoridades tentem manter a estrutura logística de rodovias e ferrovias em funcionamento, “permitindo a livre circulação de insumos, produtos agrícolas e trabalhadores rurais”.

De acordo com o vice-presidente da entidade, Pedro de Camargo Neto, há o receio de que os bloqueios em rodovias prejudiquem o transporte e, consequentemente, o abastecimento de todo o país em meio à pandemia. “A logística é a nossa principal preocupação. Já tivemos interrupções, há cidades que estão parando estrada, barreiras estaduais. Tudo cria tumulto, precisamos acalmar. O risco existe, mas tem de acalmar, resolver pontualmente”, destacou. Ele ainda frisa que o objetivo da carta é servir como um alerta ao governo, para que não deixe aumentar as paralisações em estradas.

Camargo Neto avalia que o país enfrenta, atualmente, dois grandes problemas, com possibilidade de um terceiro, que podem atrapalhar o escoamento da produção rural. A safra e a produção estão normais, mas há dificuldade no transporte, uma vez que os acessos às cidades estão fechados. “Governadores saíram com medidas, prefeitos querem fazer cada um do seu jeito e isso é um tumulto”, reclamou. O segundo obstáculo seria a logística, a questão trabalhista diante do cenário de medo causado pela pandemia. E o terceiro ponto, conforme ele, é o setor financeiro, ligado ao crédito. “Temos de trabalhar, fluir, não só o abastecimento como a exportação”, ressaltou.

Embora pregue a possibilidade de desabastecimento no documento, o vice-presidente disse que, diante dos fatos recentes, não acredita que isso vá acontecer. “Os poucos incidentes que surgiram têm sido resolvidos. Acho que temos de ter consciência desse risco, mas não acho que vá ocorrer”, finalizou.

Confira a carta na íntegra:

“A Sociedade Rural Brasileira (SRB), entidade que há um século representa produtores rurais de todo Brasil, está empenhada em aconselhar e empreender ações para que os efeitos da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) tenham o menor impacto possível na produção e na sociedade do nosso país.

Por isso, por meio desta carta, sugerimos medidas a fim de evitar o desabastecimento nas cidades e garantir a segurança alimentar de todos os brasileiros. A SRB solicita que as autoridades priorizem a manutenção do funcionamento da estrutura logística de rodovias e ferrovias, permitindo a livre circulação de insumos, produtos agrícolas e trabalhadores rurais.

A SRB destaca que o Brasil é o segundo maior exportador mundial de alimentos em volume. Por isso, ressaltamos, estamos diante de um nobre e poderoso compromisso de sinalizar ao mundo a capacidade do agro brasileiro de assegurar alimentos e recursos para que nossos importadores parceiros também enfrentem a crise da melhor forma possível, garantindo a segurança alimentar mundial.

Por fim, em nome dos produtores rurais, a SRB transmite mensagem de otimismo aos senhores prefeitos, governadores, lideranças empresariais da agroindústria e da indústria de todo Brasil: a continuação de fornecimento de insumos e matérias-primas necessários às atividades agropecuárias, como maquinários e equipamentos e insumos para o cultivo, são fundamentais para a segurança alimentar mundial. A demanda para produzir ainda é grande e a agricultura brasileira cumprirá o seu papel de, uma vez mais, conduzir o país nesse momento tão desafiador.

Agradecemos sua consideração.

Teresa Vendramini
Presidente”

Fechar