POLÍTICA – Partido ‘Aliança pelo Brasil’ não participa das eleições 2020

Declaração foi dada pelo deputado Eduardo Bolsonaro em entrevista

 

Na última sexta-feira (7), o Deputado Federal Eduardo Bolsonaro concedeu entrevista na Câmara de Vereadores de Salvador e revelou que o partido que tem sob liderança Jair Bolsonaro, não terá como participar este ano das eleições.

Em entrevista ao Jornalista Evilásio Júnior, Eduardo Bolsonaro disse que a medida é necessária para que não ocorra o mesmo que aconteceu em 2018, quando o PSL “inchou” com a entrada de oportunistas e futuros traidores, infiltrados em meio aos verdadeiros apoiadores ideológicos das posições defendidas pelo clã Bolsonaro.

“Então, a gente não quer que esse erro se repita. Se nós corrermos para formar o Aliança, neste momento, a gente vai ter menos de um mês para ter os nossos quadros para 2020, candidatos a vereador e candidatos a prefeitos. Então, eu acho que o mais saudável é a gente não criar o Partido antes de março, e deixar que ele seja criado depois de março, para que aí a gente consiga realmente ver quem é quem e fazer um processo seletivo de melhor qualidade” – disse o Deputado Federal.

Mas… E agora? E quanto aos milhares de Aliancistas que se desfilaram do PSL para acompanhar fielmente o Presidente Jair Bolsonaro – e que desejam emplacar as tão necessárias candidaturas de conservadores nas próximas eleições municipais?

Eduardo Bolsonaro orienta: “não vá para o PT, PC do B, PSOL ou PDT. Primeiro ponto, né, não vá para esses partidos de esquerda, porque não têm nada a ver com a gente. No mais, joga aberto. Se tiver que se filiar a um Partido agora, conversa e diz: ‘olha, eu gosto muito do trabalho do Presidente Bolsonaro e gostaria que, quando o Aliança for feito, a gente tenha um diálogo para migrar para o Aliança’”.

Cabe mais uma explicação a respeito da não-homologação do Aliança pelo Brasil, a tempo para concorrer as eleições 2020: o processo para homologação de um Partido Político depende, além do registro em cartório e coleta de assinaturas ( etapas levadas à cabo pelos Aliancistas), da aprovação do Estatuto da legenda pelo STE e STF.

 É evidente que tal passagem nos dois Tribunais Superiores não será feita “à toque de caixa” para “ajudar” Bolsonaro (por motivos óbvios). Depois da aprovação do Estatuto, a Aliança ainda terá de registrar oficialmente Diretórios Estaduais e Municipais em, pelo menos, 09 Estados da Federação (o que demandará mais um tempo curto).

Só depois desse trâmite todo é que o Partido Aliança pelo Brasil ficará apto a disputar eleições. Fica evidente, então, a impossibilidade disso tudo acontecer até março ou abril, como a torcida pelo Brasil deseja.

É necessário que os verdadeiros apoiadores do Presidente Bolsonaro tenham pragmatismo e oportunizem candidaturas conservadoras em legendas amigas do Governo Federal. Quanto ao Aliança, certamente a legenda estará ativada em 2022.

Fechar