Cacau gasta mais de R$ 130 mil em tempero para crianças de Marechal

Prefeito pagou R$ 6,55 por pacotes de cominho, sendo que preço médio do produto é R$ 1,25

O prefeito de Marechal Deodoro, Cláudio Roberto Ayres da Costa, mais conhecido como Cacau (PSD), está sendo acusado de comprar 20 mil pacotes de cominho de 60 gramas para temperar merenda escolar. O valor pago em cada unidade foi R$ 6,55, sendo facilmente encontrado em mercados por R$ 1,25. Ou seja, Cacau gastou R$ 131 mil com tempero para crianças e adolescentes. Vereadores da oposição apresentaram denúncia se baseando na própria declaração de contas da Prefeitura de Marechal Deodoro. A principal suspeita é de superfaturamento.

Os contratos para aquisição de alimentos para escolas públicas apresentam, segundo os vereadores Del Cavalcante (MDB) e Marcelo Moringa (PSDC), apresentam fortes indícios de desvio de dinheiro por Cacau. A denúncia será encaminhada ao Ministério Público do Estado (MPE). Os dois vereadores questionam também os valores dos demais alimentos adquiridos e o persistente desabastecimento das escolas do município.

Assim como Rio Largo, parece que Marechal também está afundada em corrupção. Antes de Cacau, Cristiano Matheus também foi acusado de saquear os cofres públicos. Em novembro de 2017, Matheus foi indiciado pela Polícia Federal após prestar depoimento na sede da superintendência no bairro do Jaraguá e enquadrado em 6 crimes: responsabilidade pelo desvio de R$ 5,8 milhões; corrupção passiva; estelionato qualificado, integrar organização criminosa, peculato e lavagem de dinheiro.

Quase um ano depois, mais descobertas. A PF realizou, em junho de 2018, a Operação Capital dos Marechais cujos alvos eram o ex-prefeito e dono de uma empresa contratada por ele comandava a Prefeitura de Marechal Deodoro, mas não prestou os serviços.

Foram cumpridos dois mandados de prisão, expedidos pela 2ª Vara Federal de Alagoas nas cidades de Maceió e Marechal Deodoro. Segundo a PF, o prejuízo causado ao erário no contrato-alvo da operação desta sexta-feira é R$ 1,4 milhões. E no final de 2018, o rombo deixado pelo ex-prefeito Cristiano Matheus no Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) do município de Marechal Deodoro, no valor de R$ 17,5 milhões, teve que ser ressarcido aos cofres públicos.

Fechar